Planeta dos Macacos - A Origem



Desde a malfadada versão de Tim Burton em 2011, a história dos símios que se rebelaram contra a humanidade para posteriormente escravizá-la estava na gaveta do estúdio à espera do momento certo para voltar a ser explorada. Sendo gerado como um prequel dos acontecimentos ocorridos no primeiro filme , de 1968 , entretanto não tendo exatamente uma clara conexão com aquela produção, o longa dirigido pelo desconhecido Rupert Wyatt, funciona como uma eficaz introdução dos acontecimentos baseados na obra de Pierre Boulle.

Em Planeta dos Macacos: A Origem, Will Rodman (James Franco) é um cientista que desenvolve uma fórmula que une os genes do homem com a do macaco, visando gerar a cura para o Alzheimer. Depois de inúmeras experiências - uma das cobaias utilizadas, Cesar (Andy Serkis, com um incrível trabalho de expressão corporal unido à computação gráfica) - apresenta habilidades e um nível de inteligência fora do normal - deixando seu dono (o Dr. Rodman o adotou ainda filhote) estupefato. Capturado por ter agredido um humano, Cesar se torna vítima de agressões por parte dos dirigentes do Centro de Zoonoses para onde é levado, bem como dos outros macacos ali confinados. No melhor estilo Oz, faz uma rebelião e consegue espalhar seus genes para os demais símios e assim liderar um motim contra os abusos sofridos.



Sem grande experiência cinematográfica, Planeta dos Macacos: A Origem é seu segundo filme, Rupert Wyatt ganhou uma oportunidade de ouro ao comandar esta tentativa de ressuscitar a obra mais famosa de Boulle na tela grande. Contando com um roteiro bem desenvolvido, escrito pela dupla Amanda Silver e Rick Jaffa, Wyatt ironicamente humanizou seu protagonista primata ao conferir a ele uma dramaticidade particular e característica. No momento em que Cesar se encontra na jaula ou no pátio com os outros macacos, numa clara alusão ao intervalo conhecido como banho de sol nas penitenciárias, é impossível não pensar em produções como Um Sonho de liberdade, o francês O Profeta e o nacional Carandiru. Ao comandar a conspiração - o protegido do Dr. Rodman age como um Che Guevara animal, reivindincando a liberdade de sua espécie das mãos de uma humanidade inescrupulosa. Ao conferir uma identidade cheia de dimensões ao macaco guerrilheiro, Silver e Jaffa conseguiram construir um cenário bastante convidativo à atenção do espectador, tornando aquela figura o grande acerto de toda a produção. Ainda vale destacar a tecnologia utilizada pela Weta Digital que utilizaram o performance capture para dar vida a cada uma daquelas criaturas.



Andy Serkis , que já havia surpreendido ao mundo com seu inesquecível Gollum - da cinessérie O Senhor dos Anéis - mais uma vez faz um primoroso trabalho, levantando até alguns comentários sobre uma possível indicação ao Oscar , mesmo com todo o preconceito que uma performance com o auxílio da arte digital pode acarretar. Em contrapartida, James Franco está inexpressivo e preguiçoso - tornando sua situação em Hollywood , após o fiasco da apresentação da última edição do Oscar, por um fio. O Will Rodman de Franco entra para o grupo daqueles personagens que caem no esquecimento na memória da plateia depois dos créditos finais , tal como o Jake Sully de Sam Worthington em Avatar.

Diferentemente da produção de Tim Burton, que talvez tenha falhado por Burton tentar imprimir em excesso sua personalidade ao longa - Planeta dos Macacos: A Origem cumpre seu papel com primazia, dando o pontapé inicial para novas sequências, o que ficou bastante claro pelo final que foi deixado em aberto para que seus sucessores venham a se conectar.



2 Response to "Planeta dos Macacos - A Origem"

  1. Interessante!
    Seguindo...



    http://odespertardumsonho.blogspot.com/

    Uma forte gripe me impede de ir ao cinema nesta semana, por isso perdi as estreias dessa semana, como essa. Mas, acho que consigo conferir este filme no sábado.

Postar um comentário

Powered by Blogger